quarta-feira, 9 de março de 2022

Saudades

Será a ausência, companheira inseparável da saudade ou, a saudade, uma simples consequência da ausência de alguém ou de algo?
Ontem foi o Dia Internacional da Mulher. Ontem, mais do que sempre, lembrei-me da Guida. A vizinha a quem a vida resolveu trocar as voltas e levar destas lides terrenas para outras lides, quem sabe, celestiais e mais apaziguadoras. Não, não é fácil. Quando o silêncio faz intervalos forçados nas nossas vidas e a voz da Guida, audível q.b. do outro lado do muro, deixa de se ouvir. 

Estranha-se. Mais tarde há-de entranhar-se e aí tomaremos, finalmente, consciência de que a Guida, a vizinha que deixou órfão um pai e uma mãe, não mais voltará a abrir a janela do quarto virado para o pátio, para os bons dias ou dar dois dedos de conversa.
Por ela, pela mulher que me trouxe ao mundo, mas também por todas as outras mulheres que já não fazem parte deste mundo cada vez mais insano e complexo, vai o meu sentido pesar de Saudade.
Onde quer que estejam, esta música é-vos dedicada. 💓



domingo, 2 de janeiro de 2022

O homem e o gato

Frente a frente. Olhos nos olhos. Bigodes contra barba. 
Era assim que o gato gostava de o encarar sempre que pulava -"catchapum"- de assalto para o seu colo. 
Ora o homem que, nem sempre primava pela virtude da paciência, arreliava-se com o bichano indiferente, apesar de advertências e castigos.
Por vezes, e depois de uma quase sempre desajeitada aterragem em cima do peito, o gato esticava as patas dianteiras, bocejava e fazia chegar o seu focinho até ao nariz do homem como se o quisesse cheirar e beijar a seguir. 
Porém, o homem, já a modos que preparado para iniciar a ancestral sesta, abria mão do seu impetuoso feitio, colocando a cabeça do bichano entre as suas mãos.
 
 
E, num ato mecanizado, "coçava" as partes laterais, bem como a frente do focinho do gato. Se o homem parava, o bichano "despersianava" os olhos, esticava novamente as patas e fazia chegar de novo o seu focinho até ao nariz do homem como se lhe quisesse dizer; "Vá lá, não pares. Continua...".  
Então entorpecido pelos soníferos afagos, o gato deixava-se adormecer com a cabeça no sítio onde coração do homem batia. 
 

segunda-feira, 8 de novembro de 2021

A calculadora do tempo

Segundo a calculadora do tempo no dia de hoje, passaram os segundos, minutos, horas, dias, semanas mais dias, meses e anos que se segue:

  • 1735689600 segundos
  • 28928160 minutos
  • 482136 horas
  • 20089 dias
  • 2869 semanas, 6 dias
  • 660 meses
  • 55 anos
  • Nestes tempos atribulados de pandemia em que continua gente a desaparecer quase sem aviso e em que, por vezes, é um estranho, inconsciente e egoísta desânimo que nos espreita a toda a hora, é na intemporalidade da música que gosto de me refugiar.  E se há gente cuja escolha musical para o derradeiro momento já está feita; este instrumental poderia ser sem dúvida a minha última vontade. 

    Tara do álbum Avalon, dos Roxy Music.




    quarta-feira, 28 de julho de 2021

    Nariz de mulher, focinho de cão, cu de gente, de David Teles Ferreira

    "Claro que, ou ainda não tinha compreendido os mecanismos que me faziam voar, ou os voos não dependiam mesmo da minha vontade. Para o tentar descobrir passei horas noutros bancos  de outros jardins e até de miradouros e praças, mas apenas tinha conseguido uns valentes banhos de assento. Levantar voo, népia. Ficava ali, sozinho, a olhar quem passava ou se sentava nos bancos vizinhos, mas nunca nada nem ninguém me despertou o interesse. Às vezes relaxava tanto que até adormecia, mas a única coisa que consegui foi levar com uma cagadela de pombo. E sentia a falta das voltinhas do Alberto. [...]

                      capítulo  IX - pág. 35 - Nariz de mulher, focinho de cão, cu de gente, de David Teles Ferreira                   

    Do primeiro dia em que começou a voar, passando pela inexplicável capacidade de o fazer e por que o fazia, este o livro que hoje resolvi trazer até este espaço (um pouco ao abandono, é certo), que é de alguma forma também e, por motivos vários, especial para mim. 
    Um romance em que a magia e o esvoaçar do pensamento dominam numa estória em que outras tantas histórias e personagens se interligam e entrelaçam entre si. Relações de vizinhança ou de afeto nos seus mais variados graus - da amizade e do amor-, todas nos lembram algum lugar ou alguém. 
    O escritor faz uma abordagem estilística da solidão - da sua talvez e a dos outros (de alguns personagens) - e que é, na minha modesta opinião, uma das linhas condutoras deste romance. 
    Para amenizar essa solidão o narrador imagina-se voando, chegando mesmo a vias de facto. 
    Porque voando consegue fugir da rotina de um emprego chato e monótono; porque voando conhece ou admira outros lugares; porque voando compreende, quiçá, melhor como funciona ou se comporta o ser humano; porque ao voar, vê o que não seria possível ver de outro modo.
    Voar... Imaginar... Libertar o universo interior... Abrir os braços e planar no céu como uma ave.
    Quem disse, afinal, que não podíamos voar através dos pensamentos?!...
    O voo do narrador ou a vontade de querer voar, revela-se no início como uma inquietação quase obsessiva. Porém, com o avanço dos acontecimentos percebemos que, finalmente, e, depois de descobrir o amor, o ato e a vontade de voar se desvanecem, proporcionando menos satisfação. 
    À medida que vamos lendo este romance, a nossa mente transporta-nos um pouco para o realismo mágico presente nas obras de Gabriel Garcia Márquez e isso é muito bom.
    "Fundir o universo mágico à realidade, mostrando elementos irreais ou estranhos como algo habitual e corriqueiro. Além desta característica, o realismo mágico apresenta os elementos mágicos de forma intuitiva (sem explicação)" - Infoescola.com  
     
    "Je vole", por Carine Achard.  
     

    domingo, 13 de junho de 2021

    Aimez, aimez; tout le reste n'est rien (La Fontaine)

    Mais (re)conhecido pelas fábulas do que pela poesia; Jean de La Fontaine.

    Élogue de l'amour

    Tout l'Univers obéit à l'Amour ;
    Belle Psyché, soumettez-lui votre âme.
    Les autres dieux à ce dieu font la cour,
    Et leur pouvoir est moins doux que sa flamme.
    Des jeunes coeurs c'est le suprême bien
    Aimez, aimez ; tout le reste n'est rien.

    Sans cet Amour, tant d'objets ravissants,
    Lambris dorés, bois, jardins, et fontaines,
    N'ont point d'appâts qui ne soient languissants,
    Et leurs plaisirs sont moins doux que ses peines.
    Des jeunes coeurs c'est le suprême bien
    Aimez, aimez ; tout le reste n'est rien.
     
    Jean de La Fontaine (1621 - 1695)

    domingo, 21 de março de 2021

    O apanhador de desperdícios, por Manoel de Barros

    De Manoel de Barros para o Dia Mundial da poesia.

    O apanhador de desperdícios

    Uso a palavra para compor meus silêncios.
    Não gosto das palavras
    fatigadas de informar.
    Dou mais respeito
    às que vivem de barriga no chão
    tipo água pedra sapo.
    Entendo bem o sotaque das águas
    Dou respeito às coisas desimportantes
    e aos seres desimportantes.
    Prezo insetos mais que aviões.
    Prezo a velocidade
    das tartarugas mais que a dos mísseis.
    Tenho em mim um atraso de nascença.
    Eu fui aparelhado
    para gostar de passarinhos.
    Tenho abundância de ser feliz por isso.
    Meu quintal é maior do que o mundo.
    Sou um apanhador de desperdícios:
    Amo os restos
    como as boas moscas.
    Queria que a minha voz tivesse um formato
    de canto.
    Porque eu não sou da informática:
    eu sou da invencionática.
    Só uso a palavra para compor meus silêncios.

    quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

    Também não sei

    "Qualquer ser humano, por mais brilhante e instruído, não sabe a maioria das coisas. Dizer “não sei” devia, por isso, ser tão natural como tossir.

    Não quero com isto dizer que somos todos ignorantes por igual; nem que o facto de ninguém saber tudo nos exime de dever saber certas coisas. O meu ponto não é um de desvalorização do conhecimento, ou de apologia da ignorância. É precisamente o oposto: acho que quando omitimos a nossa ignorância, fingindo domínio de um tema, estamos a desrespeitar quem nos ouve e confia em nós; a desrespeitar quem verdadeiramente trabalhou para adquirir conhecimento nessa área, muitas vezes com grande custo pessoal; e a desrespeitar a própria busca pelo conhecimento e pela verdade.

    A obsessão em omitir o “não sei” é uma obsessão perniciosa, pouco ética, criadora de fragilidades e inseguranças, de vergonhas e obsessões. A possibilidade de obter conhecimento em três segundos no Google, ao invés de tornar mais banal essa confissão, fez de nós autómatos do conhecimento: ao entrarmos em contato com um termo desconhecido durante uma conversa, a nossa mão dirige-se ao telemóvel, os nosso dedos ordenam uma pesquisa, e ainda o nosso interlocutor não se calou e já nós aprendemos o suficiente para podermos tecer de seguida uma resposta suficientemente credível para não passarmos por ignorantes" 

    Excerto do artigo de João Marecos.

     https://24.sapo.pt/opiniao/artigos/a-extraordinaria-beleza-de-dizer-nao-sei

    quinta-feira, 30 de julho de 2020

    Tempo


     
    Mesmo que eu queira mudar  
    De mim não consigo fugir  
    Sou feito do vento que sopra devagar 
    E do tempo que sobrar  
    E do tempo que sobrar  
    Se o segredo for deixar partir  
    No sereno do areal  
    Antes que o apego se apegue ainda mais  
    Deixo ao tempo a solução  
    Deixo ao tempo a solução  
    E se encontrares por aí  
    Quem te faça ser melhor mulher 
    Aproveita para ser feliz  
    Aproveita para ser feliz  
    Aproveita para ser feliz  
    Aproveita 
    E se encontrares por aí  
    Quem te faça ser melhor mulher 
    Aproveita para ser feliz  
    Aproveita para ser feliz  
    Aproveita para ser feliz  
    Aproveita

    quarta-feira, 15 de julho de 2020

    Portugal em números, ou seja.


    Uma notícia desta manhã no Sapo dava conta que em 2100, ou seja, daqui a 80 anos, ou seja, quando eu tiver os  meus imortais 134 anos, vamos (portugueses) ficar reduzidos, mais milhar menos milhar, a 5 000 000 (milhões) de habitantes!
    Fonix! - Pensei. Passar de 10 vírgula qualquer coisa para 5 milhões, é muito milhão!
    É muita gente a morrer, é muita criancinha a não nascer daqui até lá.
    E é sem dúvida, muita gente a preferir ter um cãozinho ou um gatinho em vez de querer repovoar o país.
    Também... diga-se de passagem que o planeta, ou seja, partes dele, está a pôr-se a jeito para que assim seja, ou seja, estamos a falar da ausência de perspectivas de futuro e o futuro do trabalho que será para muitos habitantes cada vez mais uma miragem. E quando os projectos de vida não se vislumbram exequíveis, ou seja, dificilmente viáveis, os habitantes dum país retraem-se.
    E dá nisto! ... 5 milhões a menos... Caramba!  5... 5 ... 5 ... 5 ...

    https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/portugal-podera-chegar-a-2100-com-cinco-milhoes-de-habitantes-diz-estudo

    quarta-feira, 3 de junho de 2020

    O bailado da mosca


    E eis que estava eu, deitava, assistindo ao bailado da mosca.
    Uma mosca qualquer, diga-se de "voagem". Embora lhes chamem moscas domésticas ou moscas-de-casa, eu nada fiz, faço ou farei para que elas sejam bem-vindas no meu espaço.
    No entanto, igual a todas as moscas chatas que existem por esse mundo fora e que entram nas nossas casas sem autorização, de olhos fixos na dança rodopiante da mosca, continuei a divagar. 
    Entram, mas nem sempre se dignam partir pacificamente ou, quando o fazem, vão à custa de muita mão de obra de mãos. Enxota dali, expulsa dacolá.
    Por vezes a mão acerta noutro alvo que não a mosca e quando demos por ela, já espetámos um estalo, sem querer, na pessoa que está ao lado. Azar!...
    Do mata-moscas ao spray insecticida, passando pelos pegajosos rolinhos de veneno, sem dúvida que a maior das invenções para exterminar as moscas e os respectivos parentes, foi a raqueta.
    Aquela que em tudo se parece com uma raqueta de ténis, mas com a diferença de que é recarregável numa tomada eléctrica e graças ao seu super poder electrocutante (ou electrocutor), a qualquer hora do dia ou da noite, consegue-se respirar o cheiro fétido de churrasco de mosca ou de qualquer outro membro da família Muscidae. Os mesmos que estupidamente insistem em aparecer nos contextos menos recomendáveis, como por exemplo, numa noite quente de verão, quando o sono quer transportar-nos para sonhos belos e eróticos(?!), onde não entrem melgas ou moscas rodopiando os nossos ouvidos. ZZZzzzzzzzzzzzzz...