terça-feira, 2 de Setembro de 2014

As Perguntas Verdadeiramente Importantes

Sobre as perguntas verdadeiramente importantes.

Nunca tinha pensado nesta proporcionalidade entre complexidade e importância da pergunta.
As perguntas ingénuas são as mais importantes (nem sempre, eu acho) e para as quais não há resposta (também depende). 
À luz desta complexa ingenuidade, talvez esteja explicada a razão de ser das perguntas difíceis, que nem sempre são ingénuas e nem sempre são formuladas por crianças.
Para perguntas difíceis nem sempre existem respostas fáceis.

«As perguntas verdadeiramente importantes são as que uma criança pode formular - e apenas essas. Só as perguntas mais ingénuas são realmente perguntas importantes. São as interrogações para as quais não há resposta. Uma pergunta para a qual não há resposta é um obstáculo para lá do qual não se pode passar. Ou, por outras palavras: são precisamente as perguntas para as quais não há resposta que marcam os limites das possibilidades humanas e traçam as fronteiras da nossa existência.»

Milan Kundera, in "A Insustentável Leveza do Ser"


Moody Blues,"Question", em 1970.

 

segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

Setembro, um

«Setembro é o Maio do Outono»
Os meses que fazem a transição das estações para outras são assim mesmo; ou como diz o povo: "nem são carne nem são peixe".
Setembro é o Janeiro do Ano Novo. E percebe-se porquê.
É o início de mais um ano de trabalho escolar. Há que fazer, portanto, votos para que corra tudo pelo melhor.
Para muitos, é apenas mais uma continuação... mais umas quantas rotinas...
Mas eu, que sou um Relógio de Corda sem corda, apelo ao Tempo que descontinue rapidamente algumas.
Como escreveu Proust, é preciso seguir em busca do tempo perdido.

Para todos, professores e alunos, um bom ano lectivo.

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

Da introspecção à realidade

Introspecção apela à consciência e à reflexão de todos nós sobre a sociedade actual.
Neste tema, Sensi contou com a bonita voz de Manuela Azevedo, dos Clã, e, quer se goste ou não do género, é uma música que merece ser ouvida.
Bom fim-de-semana.

"A ideia deste tema partiu de um instrumental de DJ Amp que foi posteriormente produzido por SENSI em estúdio.
O sampler original fala de como hoje em dia é difícil ou mesmo impossível encontrarmos rostos felizes, e inspirou o produtor português a escrever uma letra que abordasse a temática da influência da crise no comportamento das pessoas e na sociedade em geral"
 ( http://www.gazetadosartistas.pt/?p=31660)


 

"Podíamos ser brilhantes mas eles preferem o tacho
O declive é constante 
Vai tudo para o mesmo saco
Pesados como elefantes só paramos lá em baixo
Só na  merda é que pensamos, refletimos sobre o erro
O homem tem de levar um estalo para reparar no degredo
Não é segredo.Todos vamos. São casos reais
Vivemos a dormir e cada vez perdemos mais"

quinta-feira, 21 de Agosto de 2014

"I wish I could stop the clocks"

Donots, e não Donuts, assim se chamam estes músicos germânicos.
O título da cançoneta despertou-me a atenção. Nada de especial, porém. É apenas mais uma música.
Se bem que... quem é que nunca desejou, em algum momento da sua vida, parar os relógios; vulgo tempo. Verdade?!...

"And if i could stop the clocks
If i could make this moment mine
I´d make the most of a bad time
I wish i could stop the clocks ..."

quinta-feira, 14 de Agosto de 2014

É tempo de dar tempo ao Tempo

Era uma vez um homem.
Quando o sol desaparecia
O homem pedia:
Quero do sol, os raios mais luminosos!
Da Primavera, os lilases mais cheirosos!
E num instante, a sua vida transbordava de luz e de cheiros.

Até que um dia, encontrou um sorriso.
Um sorriso sem rosto,
Deixado ao acaso,
No meio do nada,
Então, de novo, o homem pedia:
Quero este sorriso no rosto mais bonito que houver!

E ficou feliz.
Não porque tivesse encontrado o rosto mais bonito que havia.
Mas porque o sorriso mais bonito que conhecia, era aquele.
E só ele sabia porquê.