quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Escuta...

Quanto mais leio as afirmações proferidas por certos senhores doutorados deste país, mais me apetece mergulhar na poesia!
Uma grande verdade Maria Eugénia. Atrás de cada palavra, atrás de cada frase há (quase) sempre uma "cave" que os olhos e a mente não alcançam facilmente. Oh se há!...
Antoine de Saint-Exupéry escreveu um dia mais ou menos o mesmo, mas por outras palavras. "O essencial é invisível aos olhos"... É, às vezes, ... e creio que será sempre assim por mais que os tempos mudem.
  
Eugénia Cunhal

Escuta
Quando leres um poema
Não te limites a dizer que as palavras
são belas
E delas sais contente, sentindo-te mais rico
e menos só.
Atrás de cada frase há por vezes muito sangue
sofrimento,
Ou alegria, ou amor, ou desespero,
Ou qualquer outro sentimento humano
dos mais fortes.
Quando escrevemos, não inventamos tudo.
Mesmo se em vez de dizermos eu, dizemos outro nome:
João, Pedro, Maria, ou simplesmente tu.

Eugénia Cunhal in «As Mãos e os Gestos» - Editorial Escritor

sábado, 27 de outubro de 2012

Silêncio que se vai ouvir o piano...

Que se calem os toques de campainha por dois dias! E... Silêncio por favor que se vai ouvir o piano do Senhor Jarret & Companhia.
Bom fim-de-semana!

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

A real non sense post

This is a real non sense post.
"Relogio de Corda"?!... Are you being crazy? - perguntarão alguns. No no... Not yet!
Se as estatísticas desta "coisa" forem minimamente confiáveis, este blogue (e vá lá saber-se porquê!...) é lido também nos Estados Unidos, no entanto, não é por essa razão que hoje me apeteceu recorrer ao inglês.
A língua portuguesa, you know, é e será sempre a minha predilecta mas um "Relógio" tem direito a uns momentos desconsertantes, quanto mais não seja por uns minutos, horas ou... o tempo necessário até ficar tudo consertado de novo.
So... Let's go! Smiley

A vida tem situações incompreensíveis, estranhas até! Por que não brincarmos (no bom sentido) com isso?!
This is a non sense post para alguém com muito senso. Obviamente que nunca se saberá quem é porque ... eu "non say"!  
 
Se gosta de loiras ou de "revival french music", então... ouvir Sylvie Vartan em "Je Suis Comme Ça", pode ser um saudoso regresso ao passado (é favor não esquecer de comprar o bilhete de volta!!! Obg).

 

Mas se optar por um estilo do tipo musicais londrinos... John Barrowman em "I Am What I Am" pode ser uma alternativa mais actual.

Ou enveredando pelos caminhos da "soul music", eis um instrumental com um título muito interessante, "You Are The Way You Are" por Marvin Gaye.


Smiley

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Monte Branco: a receita

Vem aí mais uma (um) "casonovela" para entreter os apreciadores destes folhetins que têm sempre um "je ne sais quoi" de política à mistura com o grande capital.
A operação "Monte Branco" tem os ingredientes do costume: aldrabice q.b., muita lata, alguma pitada de falsa ingenuidade (eles nunca sabem nada, nunca temem nada, nunca tiveram nada a ver com nada...). Não vai ao forno! E muito menos ao frio, apesar de remeter para uma célebre montanha com o mesmo nome.
Presume-se que este "Monte Branco" vá a julgamento durante uns bons anos (se for), sendo servido posteriormente consoante a sentença do momento.
A receita culinária que se segue chama-se também "Monte branco" e parece-me mais saborosa do que a anterior; pelo menos mais digerível. Leva o fruto desta época: a castanha e para não deixar crescer água na boca de ninguém, fica a receita aqui.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

"Junto à água", por António Manuel Pina



Junto à água 

 

Os homens temem as longas viagens,
os ladrões da estrada, as hospedarias,
e temem morrer em frios leitos
e ter sepultura em terra estranha.
Por isso os seus passos os levam
de regresso a casa, às veredas da infância,
ao velho portão em ruínas, à poeira
das primeiras, das únicas lágrimas.

Quantas vezes em
desolados quartos de hotel
esperei em vão que me batesses à porta,
voz de infância, que o teu silêncio me chamasse!

E perdi-vos para sempre entre prédios altos,
sonhos de beleza, e em ruas intermináveis,
e no meio das multidões dos aeroportos.
Agora só quero dormir um sono sem olhos

e sem escuridão, sob um telhado por fim.
À minha volta estilhaça-se
o meu rosto em infinitos espelhos
e desmoronam-se os meus retratos nas molduras.

Só quero um sítio onde pousar a cabeça.
Anoitece em todas as cidades do mundo,
acenderam-se as luzes de corredores sonâmbulos
onde o meu coração, falando, vagueia. 

de Um Sítio Onde Pousar A Cabeça(1991)  

Pousou hoje a cabeça na misteriosa eternidade. 
Pode anoitecer em todas as cidades do mundo, mas haverá sempre uma luz iluminando os versos de António Manuel Pina, jornalista, escritor e poeta que nos deixou neste dia aos 68 anos de idade.

Expressões...


Nem sempre precisamos de ver nos olhos dos outros quanta felicidade ou tristeza eles irradiam. Vemos sentindo ou sentimos sem ver?...  Acho que ambos servem.
Fica por conta do imaginário de cada um, a expressão facial desta mulher.
O quadro é da autoria de Lúcia Maia, uma artista plástica portuguesa (mais informação aqui).
Votos de um bom fim-de-semana.


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

"A maioria dos homens não gosta de mulheres inteligentes"

Viajar pelo mundo de mochila às costas e aos 68 anos?... Só pode ser ma mulher cheia de energia, aventureira e ... inteligente (?!).
O texto, ou melhor, parte dele, é da autoria de Paula Cosme Pinto e atrevo-me a transcrever esta parte.

"A maioria dos homens não gosta de mulheres inteligentes"

No dia seguinte combinámos lanchar novamente. À hora marcada ela estava lá com o seu sorriso. Duas gerações distintas à conversa, mas uma sinceridade estrondosa. "És casada?", perguntou-me. Pensei por momentos que na Turquia o casamento é uma questão de honra e estava preparada para o discurso tradicional quando fui novamente surpreendida. "A maioria dos homens não gosta de mulheres inteligentes, fazem-lhes sombra e isso dá-lhes cabo do ego. Não te prendas", alertou-me. "Só um homem inteligente sabe o bom que é ter uma mulher inteligente ao lado". Anos mais tarde vim a perceber o verdadeiro sentido disto e, mais uma vez, dei-lhe razão.
Mas entre todas as coisas sobre as quais falámos, houve uma que até hoje não me saiu da cabeça: o quão precioso é ter tempo. "Gosto de viajar sem pressa. Não há liberdade maior do que ter tempo, sem um bilhete de volta no bolso". Pensei nas demasiadas horas que passava a trabalhar, em todas pressões dos prazos sempre apertados, nas férias que passam a correr e que são sempre difíceis de marcar e dei-lhe razão. Sem ser nos tempos de criança, a realidade é que nunca soube o que é ser livre. Não, daquela forma. Mas, um dia, espero vir a saber.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

"October Song" - Johnny Raducanu

Para mim, se o Outono fosse uma música seria esta, porque... porque SIM!
E sem mais explicações, porque nem tudo o que se sente tem que ser necessariamente explicado ou exteriorizado através das palavras. Ou tem?...

sábado, 13 de outubro de 2012

Uma mosca + um "mosco" = a muitas mosquinhas

Duas moscas resolveram encontrar-se no local mais improvável para namorar,
pois ao quadro interactivo foram parar.
Estavam os meninos a ouvir uma versão da História da Carochinha e do falecido João Ratolas
Quando uma menina se levanta, e a seguir mais outra, e mais outro, e mais outra ...
E todos pasmaram frente à mosca e ao "mosco"
Que namoravam, preto no branco, no quadro interactivo.
(Que grande risada afinal, deu aquele namoro anormal)
Passou à história, a História da Carochinha... e
Agora adivinha
O que disse uma das menininhas?...
"Professora! A mosca e o "mosco" estão a fazer mosquinhas!"

P.S.) História real passada hoje na sala de aula, ou se preferirem, como duas moscas conseguem destabilizar a (pouca) atenção de crianças com 8 anos.
(Da próxima já sei. Pelo sim pelo não, levo insecticida)  

Bom fim-de-semana!

terça-feira, 9 de outubro de 2012

"Para um amigo tenho sempre um relógio" - António Ramos Rosa

Para um amigo tenho sempre um relógio
Para um amigo tenho sempre um relógio
esquecido em qualquer fundo de algibeira.
Mas esse relógio não marca o tempo inútil.
São restos de tabaco e de ternura rápida.
É um arco-íris de sombra, quente e trémulo.
É um copo de vinho com o meu sangue e o sol.
António Ramos Rosa, Viagem Através duma Nebulosa (1960) 


sábado, 6 de outubro de 2012

"Portugal.The Man": o orgulho nacional para lá do oceano

Da muita informação que cai nesta rede chamada internet e tantas vezes por mero acaso, eis o que me calhou na "pescaria": "Portugal.The Man".
Pensando eu que se trataria de mais uma musiquinha pimba ou mais um nome de uma qualquer banda, aproveitando-se do nome Portugal para ajudar à festa dos que, teimosamente tentam deitar-nos ainda mais para baixo... Não! Não foi nada disso que encontrei. O que eu encontrei deixou-me surpreendida pela positiva e até orgulhosa de ser portuguesa. "Portugal.The Man" é um grupo de rock americano sedeado em Portland (Oregon) com raizes em Wasilla, Alaska. 
Que músicos americanos se lembrariam de dar tão invulgar nome à sua banda se não tivessem qualquer elo ou ligação com o nosso país? Fui investigar... Acho que a resposta pode estar no excerto desta entrevista dos "Portugal.The Man".

“We made this alter ego [Portugal.The Man] and we decided to name this person after a country because it’s a group of people with a singular voice in the world,” Gourley explains, “Portugal pretty much sounded the best, but it’s a really beautiful place and I’m really glad we picked it. The people do have a lot of pride in their country and it’s not something you find all the time anymore.” 
(Mais informação sobre esta banda americana aqui.)

Enquanto lá longe, bem longe, uma geração de jovens americanos tenta levar a sua música e o nome de Portugal aos quatro cantos do mundo;  por cá, deparamo-nos com uns certos senhores que insistem em pôr o país de pernas para o ar com atitudes que a nós, "o melhor povo do mundo", só nos envergonha.  
Palmas merecidas portanto, para os "Portugal.The Man". Espero que gostem e que divulguem.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

"Ton Sourire" - Les Vieilles Pies

 "Se alguém está tão cansado que não te possa dar um sorriso, deixa-lhe o teu" - provérbio chinês

"Les Vielles Pies" são seis jovens músicos franceses que nos dão música... Fica ao critério de cada um opinar sobre a mesma. 
Mesdames et messieurs, voici "Ton sourire" pour animer le premier lundi d' octobre.