quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Oscar Wilde e "O gigante egoísta"

O frio que temos sentido nos últimos dias, lembrou-me a história de um livro de literatura infantil escrito por Oscar Wilde; "O gigante egoísta". As crianças por norma, apreciam histórias divertidas e tanto quanto possível, com finais mais ou menos felizes.
O Gigante que era egoísta, tem a particularidade de ser uma personagem que modifica a sua acção ao longo do conto, sendo o seu fim, aquele que nenhuma criança espera que aconteça à personagem principal. Apesar de tudo, os meninos e as meninas que já me ouviram contar esta história acharam-na triste, mas bonita. 
Uma bonita história sobre a amizade, da qual vos deixo este excerto.
«Só o rapazinho não fugiu, porque tinha os olhos tão cheios de lágrimas que não viu chegar o Gigante. E ele, aproximou-se cautelosamente, pegou-lhe com todo o carinho e colocou-o num galho. E logo a árvore desabrochou em flores, as aves vieram cantar sobre ela e o rapazinho estendeu os braços, abraçou e beijou o Gigante. E as outras crianças, quando viram que ele já não era mau, voltaram a correr - e com elas regressou a Primavera»

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

O tempo e a geologia

O Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC) abrange 38900 hectares do Maciço Calcário Estremenho em território pertencente aos concelhos de Alcobaça e Porto de Mós (distrito de Leiria) e de Alcanena, Rio Maior, Santarém, Torres Novas e Ourém (distrito de Santarém).
Característica das regiões calcárias, encontramos nestas serras, particularidades únicas na paisagem (paisagem cársica).
O tempo e a água uniram-se neste processo de rara beleza natural há milhões de anos, "modelando" o calcário, originando grutas, algares, lapas, poldjes, etc
Uma lapa
(clique nas imagens)

Pormenor da lapa

Sem dúvida, a mais impressionante formação deste património natural:
 A Fórnea
A Fórnea (situada entre Alcaria e Alvados) é uma extensa depressão com cerca de 1km de diâmetro e 250 m de altura, lembrando um «espectacular anfiteatro natural» escavado no calcário.
Todo este património geológico, daria origem a outras actividades com um peso significativo na economia local e nacional. A extracção da pedra foi desde sempre uma actividade tradicional por aqui, havendo relatos de que pela mão dos Monges de Cister se levaram das encostas desta serra, as pedras com as quais se edificaria o Mosteiro de Alcobaça.
Outras grandes obras de renome nacional teriam utilizado a pedra da calçada  extraída das entranhas desta serra (Parque das Nações, o espaço envolvente ao Monumento dos Descobrimentos, muitas ruas de Lisboa e muitas outras praças deste país, têm a marca desta região), cortada pelas hábeis mãos dos mestres calceteiros existentes por estas paragens.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

"O tempo só falta no fim" - Sugestão de Leitura

 
"O tempo só falta no fim"

Autor desconhecido do grande público. Contudo, bem mais conhecido na sua actividade profissional como médico (cirurgião ortopédico).
Aqui fica a sugestão de leitura da 2ª obra (2002) do  médico/escritor, Jorge Seabra.


No ano de 1943, um casal alemão instala-se numa quinta da Beira Baixa, onde algo misterioso parece acontecer...
Aparentemente, uma história que poderia ser interpretada como mais uma viagem ao passado em que a personagem principal, Miguel Franco - arquitecto de profissão - envolve-se na procura da verdade dos factos que o tempo encobriu: desaparecimentos ou mortes misteriosas.
Um título sugestivo para um romance igualmente interessante e cheio de suspense.

À venda aqui