quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Tu, que "roubaste" o meu tempo

Ao homem que me "surripiou" as horas, os minutos e os segundos, afirmo com veemência que não lamento esse Tempo "roubado". Lamento sim, o Tempo que o outro tempo fez com que não chegasses até mim.
Mas agora que o tempo te trouxe do passado, vivo este presente na mira de um futuro, em que nós, quem sabe, seremos ponteiros.
Umas vezes segundos, outras vezes minutos, na certeza de que nas horas nos perderemos. Seremos ponteiros puxando um pelo outro, sempre. E mesmo que um pare, o outro continuará a girar, a girar... 
Pois o nosso Tempo vai para além do tempo contado pelos relógios.