domingo, 31 de dezembro de 2017

Perfeitos desconhecidos

Não existem desconhecidos maiores do que cada ANO que começa e a espécie humana.  

Da maldade escondida dentro desta, à verdadeira bondade e ingenuidade, características também de outros tantos seres humanos, vai um passo de gigante, porque poucos são os que ainda têm estas duas últimas qualidades.
Hoje penso naqueles que desejam entre si umas "Boas Entradas e um Feliz 2018", mas penso, sobretudo, naqueles que não podem ter nada disto, e que provavelmente jamais terão qualquer um dos Anos que venham, feliz.
De há uns anos para cá, é assim que me sinto no final de cada ano. Sem grandes motivos para celebrar, a não ser a existência da VIDA que alguns insistem em tirar estupidamente das mais variadas formas.