quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Vidas

Navegava de página em página. Perdido, como se não tivesse vida ou outros interesses reais ou mais importantes. 
Lá fora, a vida decorria.
Na rua, um congénere. Deambulava de rua em rua. Tal qual o homem que vivia, confortavelmente, dentro do seu apartamento, navegando de página em página.
Um dia, alguém resolveu dar alguma utilidade à sujidade que cobria o carro, escrevendo no para-brisas, "é tão triste a solidão! Mata-a, antes que ela te mate a ti". Mas o homem da rua não queria saber. 
Vivia conformado e confinado à miséria que era o seu presente, simbolizado no espaço exíguo de um carro onde, aliás, ele escolhera sobreviver. 
Ainda assim, não sentia qualquer perturbação ou vergonha nesse modo de sobrevivência.
Os transeuntes, sim. Sentiam-se imensamente perturbados.
Conheceram-no antes, quando pessoa elegante, sociável, bem vestida e de bem com a vida. Contudo, egoisticamente, receando uma intromissão na vida alheia e pessoal, os outros nada diziam, nada perguntavam, nada faziam.
Tanto o homem da rua como o homem do apartamento, tiveram as suas histórias de vida.
Vidas bem sucedidas, vidas recheadas de amigos - tantos e afinal tão poucos! -. Tiveram tudo, ou, quase tudo: trabalho, felicidade, dinheiro, casa, mulher, filhos,...
Era Dezembro. A tarde estava gélida.
O homem que navegava de página em página, também ele meio perdido, só, e que agia como se a vida se resumisse a uma conexão, visualização e partilha de eventos, notícias, fotos e comentários, largou o computador e saiu à rua. 
Encontraram-se. 
Como acontece em tantas histórias de vida, passaram a viver juntos. Presumo que viveram felizes para o resto das suas vidas.

1 comentário:

  1. Adorei. Como é tão real e verdadeiro o que contas. Baseado, ou não, em casos reais, escreveste vidas de tantos. Só alguns ? Muitos casos. Gente que, num repente, perdeu o rumo. O rumo que talvez não fosse o que gostavam. O rumo que não era caminho para caminhar. Juntos encontraram companhia. Juntos durante o resto da vida.

    ResponderEliminar